sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Bar do Cidão, por Max Eluard

Fotos: Matheus Rocha













Bar do Cidão

Por muito tempo ele foi coordenador do DocTv, há mais tempo ainda é um dos diretores da Associação Cultural Gafieiras. Desde que eu o conheço é marido da (querida) Manoela Ziggiatti e amigo de Ricardo Tacioli, outro diretor do Gafieiras e meu marido. Graças a esse querido casal (Max e Manô) consegui meu primeiro trabalho com produção audiovisual.

Algum tempo depois, já com alguns trabalhos na carteira, tive o prazer de trabalhar com o Max Eluard em sua estréia como diretor no documentário autoral sobre o Bar do Cidão.

Foram oito noites seguidas (pelo menos pra mim) que, da portaria, acompanhei o registro digital da rotina do Bar sob o olhar do Max.

Da equipe eu já conhecia o Rune Tavares, produtor executivo do curta-metragem São Paulo Railway e um dos sócios da produtora Acere, e o Gustavo Fioravante, microfonista. O fotógrafo, Ivo Lopes Araújo, um cearense bom papo e profundamente inquieto, eu não conhecia.

Desse trabalho, seguem alguns registros (roubados do Facebook do Max) para ilustrar mais essa experiência em produção.















O Cidão














Sem autorização não entra!













Ivo Lopes, fotógrafo.














Max Eluard e Ivo Lopes, diretor e fotógrafo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário